18.6.09

quando digo...



Quando digo que te amo
não digo por vaidade
ou por esperar que a recíproca seja verdadeira.
Te amo porque sinto, por exalar isso em meus poros,
por necessitar mais de ti que do próprio ar,
que se esvaecerá e será de nada lembrado.
Tu és minha crença na felicidade,
que enfim tocou de meu colo.
És também minha fé,
por acreditar que esta restará para sempre.